Loading

Remisson Aniceto

remisson8@yahoo.com.br

Transição

É tão fria a cova e tão escuro o horto

onde depositam meu corpo doente!

Como a cova é fria se o corpo é morto?

A partir de agora só a alma sente...


Ah! Esta cama rude onde estou deitado

e este quarto escuro e tão bem fechado!

Tento levantar, mas estou tão cansado!

Que rumor é esse ali no quarto ao lado?


Há um jardim bem perto: sinto o odor das flores.

Quero levantar, mas estou tão cansado!

Estou tão cansado mas não sinto dores.

E o rumor aumenta ali no quarto ao lado.


Desçam o caixão! diz alguém lá fora.

Quem morreu enquanto estive dormindo?

Bem perto da porta ouço alguém que chora,

lamentando a sorte de quem vai partindo.


Quero levantar, faço força tamanha

mas tenho as mãos inertes e o corpo duro.

Agora o padre reza numa língua estranha,

enquanto fico preso neste quarto escuro.


Está caindo terra sobre o telhado.

Parece que o mundo está desabando.

Falta-me o ar neste quarto fechado

e lá fora há uma multidão chorando.


Sinto um tremor leve, um breve arrepio...

Já quase nada mais estou sentindo.

Por que não me tiram deste quarto frio?

Alguém morreu enquanto estive dormindo.


É tão fria a cova e tão escuro o horto

onde depositam meu corpo doente!

Como a cova é fria se o corpo é morto?

A partir de agora só a alma sente...